A Música e o Desenvolvimento Infantil

Quando o bebê começa a ouvir?  Música clássica aumenta a inteligência? Veja os benefícios da música. Incentive o gosto pela música e estimule muito além da audição.

Crédito: Stefan Arendt / Getty Images
Crédito: Stefan Arendt / Getty Images

Você já viu aqui como incentivar a leitura e seus benefícios para o desenvolvimento da criança. Hoje, vamos falar como a Música pode estimular o desenvolvimento e como incentivar esse bom hábito.

Quando o bebê começa a ouvir?

A audição é um dos primeiros sentidos a se desenvolver, o bebê começa a ouvir ao redor das 20 semanas de gestação (cerca de 5 meses).  A batida do coração da mãe já vai fazendo com que ele se acostume com o “Ritmo”.  Nessa época você pode começar a colocar músicas relaxantes ou música clássica para vocês ouvirem juntos. E cantar para que ele conheça sua voz e as músicas que embalarão o sono mais tarde.

A música beneficia também a gestante, contribui com o bem estar, estimula a produção de endorfinas (aquele “hormônio da felicidade”), reduz o estresse e a ansiedade, e a deixa mais relaxada. Tudo o que uma gestante necessita.

Ao nascer o bebê já conhecerá a sua voz, a do pai, os diferentes tons de voz. Prestará atenção quando você falar com ele, e ficará mais calmo quando ouvir sua voz ou o seu canto (ainda que você não seja afinada).

Quais são os benefícios da música para o desenvolvimento?

Estudos científicos relacionam a exposição precoce à música com o aprendizado da linguagem, as crianças aprendem a falar mais rápido e tem mais facilidade em  aprender outros idiomas. Além disso a música ajuda a  estimular criatividade, a concentração e a memória. As crianças que tem mais contato com música têm maior facilidade de relacionamento com outras pessoas.

Música clássica aumenta a inteligência?

Os estudos que dizem que ouvir música clássica deixa a criança mais inteligente são controversos e não foram comprovados. Muitos especialistas afirmam que o importante é fazer atividades que envolvam os pais, porque esses são a principal fonte para ensinar seus filhos. Cante, brinque, dance e divirta-se com ele! É isso que fará seu filho mais inteligente e feliz. Quando você canta ou usa a música para se comunicar com ele, existe o contato visual, a troca de olhares, o toque da brincadeira, o sorriso, tudo isso é mais estímulo para que ele se desenvolva bem.

Que tipo de música é melhor?

A música, em geral, sendo clássica ou não, ajuda no desenvolvimento. Se a música é agradável para você, te faz sentir bem, provavelmente seu bebê também gostará.

Selecione a música de acordo com a situação e o estado da criança. Quando o bebê está muito agitado o ideal é colocar músicas mais relaxantes para acalmá-lo. Se ele está contente e esperto, você pode usar musicas mais animadas para estimulá-lo, sempre com moderação e que sejam músicas agradáveis aos ouvidos. Nada daquele TUM-TIZ-TUM que não tem nenhum sentido.

As atividades que envolvem musicas infantis com letras divertidas e simples são as mais prazeirosas e que mais ensinam as crianças. Cante musicas que dão instruções simples como, “palma, Palma, palma, pé, pé, pé”, musicas que ensinam as partes do corpo ou que imitam os animais. Isso ajuda a construir o vocabulário da criança e o raciocínio. Músicas infantis em outra língua, como inglês, também podem ajudar no aprendizado de um segundo idioma mais tarde.

Como incentivar o gosto pela música?

Em bebês o uso de chocalhos ajuda a inicializar no mundo da música. Depois vá trocando para brinquedos com músicas e instrumentos musicais, tambor, piano, flauta, etc. Sempre prestando atenção na idade recomendada pelo fabricante. As brincadeiras ajudam a criança a perceber o ritmo, seguir uma música, saber quando deve esperar para recomeçar a tocar.

Para as crianças um pouco maiores, aulas de música são muito interessantes. Aprender a tocar um instrumento tem sim benefícios comprovados como melhora da coordenação motora, da memória e do raciocínio.

Por último e mais importante: Atenção ao volume! Música alta prejudica a audição e deixa a criança mais agitada.

Já Curtiu Seu Pediatra? Compartilhe com uma amiga:

Divirtam-se,

Dra. Fernanda Freire – Alergista e Pediatra em São Paulo

*Publicado originalmente em 24/03/2015 com revisões posteriores.

Não perca as novidades!